Foto: Fill Dutra
Expansão e integração. Essas são as palavras que vão nortear o trabalho do professor Robson Coutinho Silva à frente da Vice-Presidência Científica da Fundação Cecierj, assumida em junho de 2020. Professor titular do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro, ele acredita que o caminho para a divulgação científica inclui estreitar laços de professores e cientistas de universidades e centros de pesquisa e tecnologia com o conjunto da sociedade. Assim, pretende estimular e acelerar mecanismos de apropriação do conhecimento científico pela população, aproximando o Cecierj da academia.

O professor Robson irá contar com uma equipe multidisciplinar de profissionais sob sua coordenação direta, os quais encontram-se lotados na Vice-Presidência Científica da Fundação Cecierj. Dentre inúmeros projetos de responsabilidade da área, ele destaca a importância do Museu Ciência e Vida, que há 10 anos funciona no município de Duque de Caxias. “O Museu Ciência e Vida é importante polo de divulgação científica no estado do Rio de Janeiro. Encontra-se estrategicamente localizado para atender a população da Baixada Fluminense, território com potência, embora em região historicamente excluída e estigmatizada. Em um local de acesso livre e gratuito para os públicos geral e escolar, são conduzidas metodologias sistematizadas de comunicação da ciência. É fato que espaços museológicos aguçam o prazer de descobrir e compreender fenômenos da vida e da natureza. Acredito que a vivência em um museu, potencializada por experiências interativas, desperta o gosto pela ciência. Em última instância, favorece a inclusão social de indivíduos que se percebem agentes de suas novas descobertas, ampliando o senso crítico e de pertencimento à sociedade”.

Professor Robson explica porque aceitou assumir a Vice-Presidência Científica da Fundação Cecierj. “Como cientista, há mais de 30 anos, desenvolvo projetos nas áreas de pesquisa básica em imunologia e de ensino em biociências e saúde. Em toda minha trajetória acadêmica, sempre estive envolvido com ações de popularização e divulgação científica. Entendo que o conhecimento gerado pela ciência deve alcançar todas as pessoas, e isso só é possível na medida em que a academia se engaja em ações de interação direta com a sociedade. Ao ser convidado pela professora Maria Isabel de Castro de Souza, Presidente da Fundação Cecierj, aceitei o desafio de ampliar e integrar a área de divulgação científica no estado do Rio de Janeiro”.

O professor Robson considera que a divulgação científica tem muito a se beneficiar com trabalho em cooperação com a Vice-Presidência de Educação Superior a Distância – Cederj. “A Fundação Cecierj construiu maneiras eficientes de agregar e educar pessoas a distância. Particularmente nesse momento em que estamos aprendendo a viver em uma situação de distanciamento social por conta da pandemia da covid-19, utilizar a experiência acumulada de educação através de ambientes virtuais irá nos ajudar a criar novas estratégias de expansão de ações de divulgação científica. O momento exige criatividade e inovação”.

Robson Coutinho Silva possui graduação em Licenciatura em Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ (1984), doutorado em Ciências Biológicas (Biofísica) pelo Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho – IBCCF da UFRJ (1996), pós-doutorado pelo Royal Free and University College Medical School, em Londres (2000-2002). É bolsista produtividade do CNPq 1B e Cientista do Nosso Estado CNE/FAPERJ. Foi coordenador do Programa de Imunobiologia do IBCCF / UFRJ (2006-2009 e 2016-2017), vice-diretor do IBCCF / UFRJ (2010-2012), coordenador adjunto do curso de Pós-Graduação em Ciências Biológicas do IBCCF / UFRJ (2007-2010), presidente fundador (2009-2012) e vice-presidente (2012-2015) da sociedade científica Clube Brasileiro de Purinas, presidente do museu de ciências Espaço Ciência Viva, na cidade do Rio de Janeiro (2013-2018). É orientador permanente nos Programas de Pós-Graduação em Biofísica e em Fisiologia, ambos do IBCCF / UFRJ, e em Ensino em Biociências e Saúde, do Instituto Oswaldo Cruz / Fiocruz.